O Sistema - (Jakob Schneider)

12. 05. 29
Acessos: 2326
Em que medida a constelação familiar é um método sistêmico?
 
Primeiramente, ela percebe o cliente, desde o início, em conexão com as pessoas relevantes de seu campo relacional. As constelações permitem experimentar imediatamente como o comportamento humano apresenta uma multiplicidade dos aspectos cambiantes, conexões e interações. Até o momento, nenhum outro método visando informação e intervenção possui uma perspectiva sistêmica tão ampla como as constelações familiares, abrangendo gerações, embora se deva também mencionar Ivan Boszormenyi Nagy, Helm Stierlin e outros, que direcionaram a terapia sistêmica familiar para uma perspectiva multigeneracional.
 
O simples significado do "emaranhamento" basta para mostrar que nas constelações não se manifestam apenas os fenômenos individuais causais lineares do relacionamento. O olhar para o enredamento de destinos e para o efeito de eventos traumáticos nos sistemas familiares, freqüentemente através de várias gerações, ampliou e aprofundou, de modo impressionante, o pensamento sistêmico e o correspondente procedimento terapêutico. Nenhum método na psicoterapia conseguiu até hoje, como as constelações familiares, tornar visíveis e experimentáveis os processos de compensação sistêmica que atravessam gerações, colocando à disposição os procedimentos específicos adequados. A complexidade do que acontece em relacionamentos humanos não contradiz a ação de regularidades nos relacionamentos. O bater das asas da borboleta, utilizado como exemplo na Teoria do Caos, introduz, é certo, alguma incerteza no evento climático, mas não anula suas regularidades e as forças que atuam no conjunto. Para dizer de outra forma: pertence à essência da sabedoria que ela é capaz de articular inteligentemente e de modo esclarecedor a regularidade e a singularidade da situação individual.
 
Em segundo lugar: Uma constelação se compõe de imagens. Os sistemas, na medida em que não podem ser descritos de um modo causal, só podem ser expressos por meio de imagens, linguagem imaginativa e histórias. Através de uma imagem, um grande número de informações e de processos pode ser percebida simultaneamente e como um todo. Desta maneira procedemos constantemente de forma sistêmica em nossa percepção. Dificilmente um método terapêutico utilizará isso de uma forma processual e mais concentrada do que as constelações familiares.
 
As frases de ligação e solução, às vezes ritualizadas, atuam igualmente associadas a imagens. Uma constatação ou descrição causal obtida a partir do que acontece numa constelação serve para trazer à luz uma 'verdade", mas não é essa verdade. Observações gerais de consteladores, por exemplo, sobre anorexia, câncer ou psicoses, não são modelos causais de explicação - mesmo quando são apresentadas como tais -, mas indicações, adquiridas por experiência, destinadas a instigar no cliente uma atitude de busca que o leve adiante e faça descobrir. Uma - impossível - dissolução do que acontece na constelação em passos individuais de causação linear atuaria justamente como obstáculo para a sua eficácia. As constelações, pelo menos de consteladores experimentados, estão se tornando cada vez menos faladas e comentadas, e confiam cada vez mais no que as pessoas podem ver. Portanto, a dinâmica sistêmica não é ocultada, soterrada ou coarctada pelas palavras. A evidência sistêmica se introduz na alma do cliente e pode "vibrar em uníssono" no constelador e nos participantes do grupo, justamente porque não é fragmentada em observações individuais e em argumentos "compreensíveis" que seriam - justamente - passíveis de crítica.