Ausência e Presença (parábola por Bert Hellinger)

12. 05. 29
Acessos: 1675
Um monge, saindo em busca do Absoluto,
Aproximou-se de um vendedor no mercado
E pediu-lhe comida.
 
O vendedor observou-o por um momento.
E, dando-lhe o que podia dar,
Perguntou-lhe:
 
“Como se explica que me peças
O de que precisas para sobreviver
E, mesmo assim, te permites achar a mim e 
ao meu negócio
Coisas insignificantes
Em comparação contigo e com o que é teu?”
 
O monge respondeu:
“Em comparação com o Absoluto que procuro, 
De fato, tudo o mais parece insignificante.”
 
O vendedor não ficou satisfeito
E fez outra pergunta:
 
“Se esse Absoluto existe,
Está além de nosso alcance.
Portanto, como ousar buscá-lo
Como se ele pudesse ser encontrado
No fim de uma longa estrada?
De que modo tomar posse dele
 
Ou pretender ter dele um quinhão maior?
Ao contrário, se esse Absoluto existe,
Como poderia alguém distanciar-se dele
E ficar excluído de sua vontade e zelo?”
 
O monge respondeu:
“Somente aqueles que podem despojar-se 
De tudo o que lhes pertence
E, de boa vontade, esquecer o que está atado
Ao Aqui-e-Agora,
Alcançarão o Absoluto.”
 
Não convencido ainda,
O vendedor o pôs à prova com outro raciocínio:
 
“Presumindo que o Absoluto exista,
Ele deve estar perto de todos,
Embora oculto no aparente e no eterno,
Assim como a Ausência está escondida na Presença,
O Passado e o Futuro no Aqui-e-Agora.
 
Comparado ao que está Presente
E se nos afigura contingente e fugidio,
O Absoluto parece ilimitado no espaço e no tempo,
Como o Passado e o Futuro
Em comparação como o Aqui-e-Agora.
 
Mas o que está Ausente só se mostra no Presente,
Como o Passado e o Futuro só se mostram 
No Aqui-e-Agora.
 
Como a Noite e a Morte,
O Absoluto encerra, oculto para nós, 
Algo que ainda virá.
 
Há, porém, momentos em que,
Num piscar de olhos, 
O Absoluto ilumina de súbito o Presente,
Como o relâmpago ilumina a noite.
 
Assim também o Absoluto se aproxima de nós
No atual Aqui
E ilumina o Agora.”
 
O monge, por seu turno,
Perguntou ao vendedor:
 
“Se o que dizes é verdade,
Que resta 
Para nós dois?”
 
E o vendedor respondeu:
“Para nós ainda resta,
Mas por pouco tempo,
A Terra."
 
 
                 xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Queridos colegas consteladores, 
Postamos esta "parábola" para estimulá-los a raciocinar e interpretar, à luz da Hellinger Sciencia, o sentido que Bert quis imprimir através desse diálogo. Gostaria que muitos de vocês atentassem para a profundidade dessas palavras e nos colocassem suas sugestões de análise do conteúdo.
Abaixo, nesta página, há um campo propício para seus comentários.
Vamos juntar nossas interpretações e fazer resultar disso um ótimo artigo - um artigo em conjunto.
Gostaram da idéia? 
Então vamos executá-la!